Salsa

970
salsa-salsinha

salsa-salsinhaA salsa, salsinha ou perrexil [Petroselinum crispum (Mill.) Nym.; Apiaceae (Umbelliferae)] é uma planta herbácea bienal, podendo-se também cultivar como anual. Nativa da região mediterrânica central (sul de Itália, Argélia e Tunísia), a salsa foi naturalizada em toda a Europa e amplamente cultivada como condimento ou hortaliça.

A salsa é uma planta bienal que, no primeiro ano, forma uma roseta de folhas muito divididas, alcança 10–25 cm de altura e possui talos que podem chegar a exceder 60 cm floríferos de 1–3 cm e um tubérculo usado como reserva para o inverno. No segundo ano a salsa desenvolve um talo de flor de até 75 cm de altura com folhas esparsas e umbela de topo plano com diâmetro de 3–10 cm com várias flores verde-amareladas de diâmetro 2 mm. As sementes da salsa são ovoides, 2-3 mm. A salsa normalmente morre após o amadurecimento das sementes.

O cultivo da salsa é realizado há mais de trezentos anos, sendo uma das ervas aromáticas mais populares da gastronomia mundial. A reprodução é feita por sementes, em local ensolarado e em solo drenado que não seja demasiado compacto. A salsa também pode ser cultivada em vasos fundos numa janela ensolarada, mas se desenvolve melhor entre 22–30 °C . A germinação é lenta, durando quatro a seis semanas e frequentemente difícil devido à furanocumarina que envolve a sua semente. Plantas de salsa cultivadas a partir dos talos são normalmente espaçadas 10 cm, enquanto as cultivadas pela raiz são espaçadas 20 cm para permitir o desenvolvimento da raiz.

A salsa atrai alguns animais. Algumas espécies de borboletas põem seus ovos na planta: as lagartas são pretas com listras verdes e pontos amarelos, alimentando-se de salsa por duas semanas, até formarem a pupa. As abelhas e outros insetos que se alimentam de néctar visitam as flores da salsa, enquanto pássaros como o pintassilgo-comum se alimentam das sementes.

No cultivo, a salsa é subdividida em vários grupos de cultivares dependendo da forma da planta, e está relacionado a seu uso final. Elas são frequentemente tratadas como variedades botânicas mas são seleções de cultivo, não de origem botânica natural.

Os dois grupos principais de salsa ou salsinha usados como ervas são as de folhas crespas (i.e.) (P. crispum crispum. P. crispum var. crispum) e folhas lisas (P. crispum neapolitanum . P. crispum var. neapolitanum); desses, o grupo neapolitanum se aparenta mais com a espécie selvagem.

Alguns preferem cultivar a salsa de folha lisa por ser mais fácil, sendo mais tolerante a chuva e sol, também tendo o sabor mais forte, enquanto a salsa de folhas crespas é preferida por outros devido à sua aparência mais decorativa. Um terceiro tipo de salsa cultivado no sul da itália, tem galhos grossos, parecidos com o Salsão.

SEM COMENTÁRIOS